PIX: o que sabemos sobre o sistema de pagamentos instantâneos do BC?

Compartilhar

A implementação do PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, segue confirmada para novembro de 2020. Na última reunião plenária do BC, realizada dia 22/6, o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, confirmou que o projeto tem recebido a priorização necessária para garantir que as etapas sejam cumpridas até lá e anunciou duas novidades: a gratuidade para pessoas físicas e a permissão de saques por meio de lojas de redes varejistas.

No momento, a equipe está processando as contribuições recebidas durante a Consulta Pública e dando atenção máxima à etapa homologatória. Segundo Neto, essa é a fase crucial para verificar as plataformas, simular transações, testar funcionalidades e aperfeiçoar o regulamento do PIX.

O novo sistema vai permitir que transações sejam realizadas praticamente em tempo real durante 24 horas por dia, promovendo democratização financeira, versatilidade e baixo custo para quem paga e para quem recebe. Neste artigo, explicamos o que é o PIX, o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, bem como todos os detalhes sobre os principais serviços da plataforma. Mas, o que sabemos sobre os avanços da sua implementação até agora?

980 instituições  já confirmaram adesão ao PIX

Apesar dos obstáculos causados pela pandemia, 980 instituições financeiras já confirmaram que vão oferecer o PIX à população. Conforme as regras anunciadas no começo do ano, bancos e fintechs com mais de 500 mil contas são obrigados a participar da modalidade.

Para Neto, as instituições estão engajadas em viabilizar essa estratégia e contribuir com o processo de transformação estrutural da indústria de pagamentos, porque enxergam o crescimento dessa demanda na sociedade.

Segundo levantamento publicado no Olhar Digital, 120 empresas pediram para serem participantes diretos e terão uma conta de pagamento dentro do Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI). As outras 860 entram como participantes indiretos, precisando de uma empresa com participação direta para representá-las e guardar seus recursos.

Além do PIX, a reunião virtual promovida pelo BC também destacou a execução de outro sistema cambial que promete simplificar o mercado financeiro. É o conceito de Open Banking, que continua sendo desenvolvido em paralelo.

A implementação do sistema de pagamentos instantâneos no varejo

PIX sistema instantâneo de pagamentos

Se o consumidor preza cada vez mais por meios de pagamentos que ofereçam economia, segurança, rapidez e transparência, esse é um sinal de que o PIX também tem reflexos para o varejo. O sistema permitirá o serviço de saque por meio de redes varejistas.

De acordo com o discurso de Neto, essa facilidade busca trazer mais eficiência por meio da reutilização do dinheiro no varejo e aproveitamento da rede, além de fomentar a competição e ampliar as opções de saque. Somada a isso, a novidade tem potencial de reduzir o custo logístico e operacional das empresas e garantir o benefício da conveniência aos consumidores.

A previsão do BC é divulgar o regulamento definitivo do PIX em julho, para que as regras de uso e adesão fiquem claras até o lançamento. Já em agosto, deverão ser apresentados mais detalhes sobre o serviço de saque para os varejistas.

Operações de TED e DOC podem ser encerradas

No dia 15/6, o BC também instituiu o provedor de Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) e a Conta de Pagamentos Instantâneos (Conta PI), dois sistemas que integram o PIX.

Na circular nº 4.027, a instituição registra que “o Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) é a infraestrutura centralizada de liquidação bruta em tempo real de pagamentos instantâneos que resultam em transferências de fundos entre seus participantes titulares de Conta Pagamentos Instantâneos (Conta PI) no Banco Central do Brasil”.

O texto significa que as operações de TED e DOC podem acabar, pois diferente de como ocorre hoje, com o PIX será possível transferir dinheiro entre contas 24 horas por dia, 7 dias por semana e no tempo máximo de 10 segundos.

Próximas etapas

Após a homologação, o cronograma do PIX está dividido desta forma:

  • Julho: apresentação final da versão final do regulamento da plataforma.
  • Agosto: apresentação com os detalhamentos sobre o serviço de saque no varejo.
  • Novembro: dia 3/11, começa o soft opening do sistema e dia 16/11 está prevista a liberação do sistema para todos.

Segundo Neto, o projeto não se encerra em novembro e a agenda continua em evolução nos próximos anos, prevendo vários novos produtos e funcionalidades, conforme a demanda dos usuários do sistema de pagamentos instantâneos.

Confira o vídeo de lançamento oficial do PIX!

Posts relacionados

CPF Token: a melhor opção para compras no varejo
Financeiro

CPF Token: a melhor opção para compras no varejo

O CPF Token é uma tecnologia para realização de pagamentos (e saques) no va...

Crédito no varejo antes e depois da Covid-19
Financeiro

Crédito no varejo antes e depois da Covid-19

Se antes da pandemia conceder crédito no varejo já era um tema complexo, o momento atual...

Pandemia acelera o uso de novos meios de pagamento
Financeiro

Pandemia acelera o uso de novos meios de pagamento

Quando falamos em novos meios de pagamento, é importante salientar que nem sempre estamos...

Receba nosso conteúdo exclusivo

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência no nosso site. Acesse a nossa Política de Privacidade para saber mais ou gerenciar suas preferências pessoais em Cookie Settings. Ao usar o nosso site, você concorda com o uso de cookies.